Imagem de fundo do menu

Avaliação diagnóstica: o que é e como aplicar?

As avaliações são recursos pedagógicos fundamentais para os processos de ensino-aprendizagem. Entre elas, está a avaliação diagnóstica. A partir de sua aplicação, podemos observar o desempenho dos estudantes e estimular seus potenciais.

Compreender os diferentes tipos de avaliações e suas funções é muito importante para criar estratégias didáticas realmente efetivas.

As quatro principais avaliações aplicadas na educação básica são a formativa, a comparativa, a somativa e a diagnóstica. Mas, afinal, o que é e para que serve uma avaliação diagnóstica?

1 – O que é uma avaliação diagnóstica?

A avaliação diagnóstica (AVD) é uma ferramenta que auxilia os professores a mapearem os conhecimentos prévios, as habilidades e as dificuldades dos alunos. Por esse motivo, recomenda-se que ela seja aplicada no início do ano letivo, mas também podemos aplicá-la ao fim de períodos e em processos pontuais, como no preparo dos estudantes para o vestibular.

Quando realizamos a avaliação diagnóstica no início do ano, conseguimos observar as Competências e Habilidades dos alunos e, assim, traçar um planejamento de acordo com a realidade de cada um. Dessa forma, podemos adequar o processo de ensino-aprendizagem e torná-lo mais eficaz.

Antes de aplicar esse tipo de avaliação, devemos definir bem os objetivos que pretendemos alcançar e elaborar a prova com muito cuidado.

2 – Como elaborar e analisar uma avaliação diagnóstica?

Existem diversas formas de elaborar uma AVD e elas variam conforme os objetivos do professor.

Os exercícios objetivos, as propostas de leitura e interpretação textual, as produções textuais e os questionários são exemplos de avaliações diagnósticas que podem ser aplicadas em diferentes segmentos da educação básica.

Ainda que a prova elaborada seja igual para todos os estudantes da turma, é importante analisar os resultados individualmente. Quando um aluno apresenta um mau desempenho, devemos avaliar as causas. Em suma, o foco principal da prova é promover o desenvolvimento desses alunos e, para isso, é crucial ter um olhar atento.

No caso da Educação Inclusiva, a atenção deve ser redobrada.

3 – Como aplicar a avaliação diagnóstica na Educação Inclusiva?

A aplicação da avaliação diagnóstica no Ensino Inclusivo tem a mesma finalidade que a sua aplicação no Ensino Tradicional, mas o planejamento apresenta algumas divergências.

Além do olhar individualizado na hora da correção, é importante criar um plano de ensino individual para os alunos dessa modalidade, de maneira que leve em consideração as características e os déficits de cada um.

Como sabemos, a Educação Especial e a Educação Inclusiva se diferem em vários pontos e, entre eles, está o fato de que a primeira é limitada a apenas alguns grupos. Sendo assim, num contexto de Ensino Inclusivo, devemos fazer um planejamento que estimule o desenvolvimento de todos os estudantes a partir dos resultados da avaliação diagnóstica.

Para saber mais, baixe gratuitamente o nosso e-book sobre AVD.

4 – Como aplicar uma avaliação diagnóstica alinhada à BNCC?

Um dos focos da Base Nacional Comum Curricular (BNCC) consiste em garantir recursos e processos de ensino-aprendizagem que considerem o contexto dos estudantes. Ou seja, além das competências e habilidades, as condições psicológicas e socioeconômicas devem ser observadas com atenção.

Uma avaliação diagnóstica alinhada à BNCC, portanto, apresenta um caráter qualitativo. A partir da sua aplicação, é possível definir os assuntos que serão abordados e aplicar estratégias condizentes com cada realidade.

Leia mais sobre a BNCC por meio deste link.