Imagem de fundo do menu

Como fazer uma boa redação

Vista como um problema por muitos estudantes, a construção de uma boa redação merece atenção especial e deve ser estimulada desde a educação de base.

“Eu não sei por onde começar.”

“E se cair um tema que eu não conheço?”

“Eu não sei escrever!”

Essas são apenas algumas das preocupações de muitos estudantes que se deparam com uma das etapas mais temidas do ENEM e dos vestibulares: a redação.

Diferentemente das fórmulas de física e matemática, das regras gramaticais da língua portuguesa e de datas históricas importantes, as redações não podem ser simplesmente memorizadas e replicadas sempre da mesma forma. O que podemos reproduzir é a estrutura de uma boa redação, mas os argumentos e a construção individual da narrativa é o que diferencia um trabalho do outro.

Uma coisa é certa: ninguém aprende a escrever uma boa redação do dia para a noite. Essa é uma habilidade que deve ser estimulada desde os primeiros anos escolares, assim como as demais disciplinas que constituem o currículo base da educação. Por isso, neste material falaremos sobre:

1 → O que é uma boa redação

Um bom texto deve conseguir cumprir o objetivo principal de passar uma mensagem clara e captar a atenção do leitor do início ao fim. É importante que ele seja objetivo, sem períodos muito longos e, no caso de ENEM e vestibulares, se mantenha dentro do número mínimo e máximo de linhas pré-determinado.

A resposta mais rápida costuma classificar um texto bem escrito como aquele que segue à risca as regras gramaticais. No entanto, ainda que seja fundamental, a gramática é apenas um entre os inúmeros componentes de uma boa escrita.

2 → Quais elementos devem conter uma redação

Quando falamos de redações para ENEM e vestibulares, elas precisam ter três partes: a introdução, o desenvolvimento e a conclusão. Veja o que precisa estar contido em cada uma delas.

1. Introdução

Como o próprio nome já diz, é a parte que vai introduzir o assunto e informar o leitor sobre o que ele vai encontrar ao longo do texto. Este momento é fundamental para captar a sua atenção e fazer com que ele queira seguir com a leitura.

Pense na narrativa de um filme. Se ele tem duas horas de duração mas você não conseguiu entender a premissa ou se conectar com a história nos vinte primeiros minutos, as chances de você continuar assistindo diminuem a cada minuto que passa. Encare a introdução da redação da mesma forma.

A introdução deve apresentar a ideia principal que será discutida ao longo do texto, assim como os argumentos que serão trabalhados. O tamanho depende do número de argumentos (o que também vai influenciar no tamanho do desenvolvimento), mas três ou quatro linhas costumam ser o suficiente.

2. Desenvolvimento

É nessa parte que o texto será desenvolvido. É hora de resgatar os argumentos levantados na introdução e fazer a exposição de cada um. Usualmente, cada parágrafo do texto corresponde a um argumento.

Pense que cada linha do texto é preciosa e deve ter uma razão clara para estar ali. Frases vazias ou que repitam sempre a mesma ideia, além de serem cansativas para o leitor, também vão refletir de forma negativa na avaliação final. Em outras palavras, a qualidade deve estar acima da quantidade.

Ter um bom ritmo também é importante para que a leitura não seja monótona e mantenha o engajamento do leitor, a fim de prepará-lo para o que ele pode esperar da conclusão.

3. Conclusão

Quem nunca terminou um texto e pensou: “tá, e daí?”. Essa é a sensação que temos quando ele não tem um bom desfecho. A conclusão tem um peso forte por justificar a razão de um texto existir. Se não for bem construída, ele fica sem um propósito.

Ela deve ser elaborada em um parágrafo e reunir as ideias levantadas ao longo do texto, além de um posicionamento do autor para o problema apresentado ainda na introdução.

3 → Como começar uma redação

Quem já precisou escrever uma redação provavelmente já sentiu a pressão de encarar uma folha em branco — o que, na maioria das vezes, pode não ser uma sensação muito agradável. O começo é quase sempre a parte mais difícil, então é importante estar preparado para encará-la.

Por mais contraditório que pareça, uma dica que pode ajudar é não começar pelo começo. O rascunho do texto é o momento de organizar as ideias e fazer a primeira estrutura, então não é preciso se preocupar em escrever na mesma ordem que o texto será lido. Se fosse assim, o título seria a sua primeira preocupação, quando muitos autores deixam para pensar nele por último a fim de chegar a um resultado que represente o texto como um todo.

Este momento inicial deve ser dedicado a avaliar o tema proposto e reunir todas as ideias sobre ele que possam ser abordadas no texto. A partir daí, é hora de selecionar e eliminar aquelas que não agregam à narrativa e focar naquelas que mais fazem sentido. Assim, as chances de um bloqueio diminuem e fica mais fácil enxergar o texto como um todo.

4 → Passo a passo para escrever uma boa redação 

Confira algumas dicas que podem ajudar na escrita de uma boa redação:

  1. Aproveite a liberdade do primeiro rascunho: esse é o seu momento de reunir livremente todas as ideias que você tiver. Reserve poucos minutos para isso, e coloque no papel o que vier à sua cabeça, sem pensar muito. Esse caos criativo pode ajudar as ideias a fluírem e ajudar a encontrar a sua linha de raciocínio.
  2. Organize suas ideias: depois do caos, vem o momento de colocar tudo em tópicos. Quais ideias combinam entre si? Quais estão repetitivas? Quais melhor respondem ao tema proposto? Quais podem acabar desviando do tema? Este é o momento de planejar e definir os rumos do seu texto antes mesmo de começar, de fato, a escrever.
  3. Domine a norma culta da Língua Portuguesa: esse é um ponto sem negociações. Não use abreviações e gírias e invista em vocabulário rico, pontuação correta e respeite as regras ortográficas e gramaticais. Mais do que garantir a pontuação destinada à gramática, o português formal também é importante para tornar o texto mais claro e coerente.
  4. Siga o modelo de redação solicitado: cada prova pode pedir um estilo diferente, então é preciso ter conhecimento de todas as possibilidades. O mais comum (e pedido no ENEM) é o dissertativo-argumentativo, onde o estudante precisa apresentar uma tese, trazer seus argumentos e concluir com uma solução para o problema. Mas nada impede que textos narrativos ou apenas dissertativos sejam o estilo escolhido para a avaliação, então fique atento(a).
  5. Atenção ao tempo: quando falamos sobre provas, esse é um detalhe que faz muita diferença. Você precisa entender quanto tempo costuma gastar em cada etapa da construção da redação, reservando tempo para escrever, reler e passar a limpo. E isso é algo que exige prática, então acostume-se a treinar sempre com um relógio ao lado.

Você também pode gostar de:

Redação para escolas: texto dissertativo

Proposta de redação: o potencial (in)formativo da educação

Peça uma demonstração