Imagem de fundo do menu

Como usar o Youtube na educação

A ferramenta passou a ser um recurso importante para complementar as aulas do ensino remoto durante a quarentena.

O Youtube é uma das plataformas de vídeo mais acessadas em todo o mundo. Só no Brasil, mais de 105 milhões de pessoas acessam a plataforma mensalmente. Com a pandemia, a sua popularidade aumentou ainda mais: segundo a Pesquisa ComScore VideoMetrix que comparou os acessos de julho de 2020 com o mesmo período do ano anterior, 91% dos usuários afirmaram ter aumentado seu tempo de uso do Youtube.

A educação foi um dos setores que ampliou o uso dos conteúdos disponibilizados na plataforma depois do fechamento das escolas em março de 2020. Para complementar as aulas do ensino remoto, muitos professores recorreram aos canais dos “edutubers”: educadores que ensinam conteúdos e oferecem videoaulas no Youtube.

Quer entender as vantagens de utilizar o Youtube como ferramenta educacional? Veja nesse artigo como usar a ferramenta na educação, saiba como criar um canal educacional e conheça 5 projetos para se inspirar.

1 → Porque e como usar o Youtube na educação

Quem é professor sabe que prender a atenção dos alunos é cada vez mais difícil. Em uma realidade de ensino remoto, onde é impossível ter qualquer controle, a tarefa se torna quase impossível. A saída encontrada por muitos educadores acaba sendo aliar-se à tecnologia ao invés de proibir o uso.

Já que plataformas como o Youtube fazem parte do dia a dia dos alunos, elas podem servir como um estímulo para o estudo. Confira alguns motivos para investir no recurso:

1 – Tenha todos os vídeos em um só lugar: com um perfil de usuário na plataforma, você pode organizar playlists de vídeos relacionados aos temas discutidos em aula que ajudam a complementar as explicações e trazem novas perspectivas sobre um mesmo tema. A principal vantagem de montar playlists é que os vídeos são reproduzidos automaticamente, sem a interferência de vídeos recomendados.

2 – Selecione vídeos para ajudar alunos com dificuldade: na rotina corrida de sala de aula, nem sempre é possível dedicar o tempo que gostaríamos para os alunos com maior dificuldade. Por isso, os conteúdos que eles ainda não dominam acabam sendo um empecilho para o processo de aprendizagem. Fazer uma curadoria de vídeos que ajudem esses alunos é uma forma de complementar o reforço escolar e testar uma nova didática e formas de abordagem dos conteúdos que talvez funcionem melhor para eles.

3 – Estimule os alunos a explorarem assuntos do seu interesse: a partir das suas seleções de vídeos, os alunos também têm a oportunidade de aprofundarem a busca por conteúdos sobre os quais eles tenham interesse. A sua curadoria é importante para filtrar conteúdos que realmente são relevantes e confiáveis. Afinal, o Youtube é uma plataforma disponível para qualquer pessoa postar seus conteúdos, então nem todos os vídeos serão de qualidade.

4 – Incentive os alunos a produzirem conteúdo:

essa é uma geração que já nasceu conectada, e isso pode ser usado ao seu favor. Os vídeos podem ser um recurso interessante para trabalhar a oralidade, a capacidade argumentativa, a assimilação dos conteúdos e a participação mais ativa. Proponha projetos como apresentação de seminários, histórias curtas, “telejornais”, etc.. Antes de postar os vídeos no Youtube, no entanto, é necessária a autorização dos pais. Também é possível organizar os vídeos em playlists não listadas, visíveis apenas para quem tem o link.

2 → Como criar um canal educacional

Assim como você pode utilizar vídeos de outros produtores de conteúdo para suas aulas, você também pode querer criar o seu próprio canal educacional. Para saber como começar, confira abaixo algumas dicas:

1 – Defina sua audiência

Para quem serão suas aulas? Para crianças do Ensino Fundamental I ou para adolescentes do Ensino Médio? Será um conteúdo inicial ou eles já devem ter algum domínio da matéria? Saber qual público você quer atingir é importante para definir seus conteúdos, a forma de abordagem e as referências nas quais você pode se inspirar.

2 – Defina quais assuntos você irá abordar

Quando a sua audiência já está definida, fica mais fácil delimitar os assuntos que você vai abordar. Você pode focar em uma matéria específica assim como pode trabalhar diversos conteúdos de forma interdisciplinar. Se você acha que pode ensinar um conteúdo de uma forma única e que diferencie o seu canal dos tantos outros que já existem por aí, vá em frente.

3 – Faça roteiros dos seus vídeos

Gravar um vídeo para o youtube não é o mesmo que dar aula de forma remota. Os vídeos precisam ser dinâmicos e interessantes para capturar a atenção dos espectadores logo de cara. Se a sua audiência for de jovens acostumados com vídeos cada vez mais curtos, eles certamente vão desistir de assistir se não forem atraídos logo nos primeiros segundos. Fazer roteiros dos vídeos, mesmo que sejam tópicos sem muito detalhamento, ajudará você a se manter dentro do assunto e a ter mais confiança na hora de gravar.

3 → 5 Canais educacionais para seguir e se inspirar

Fãs da mente: canal com conteúdo de ciências, história e matemática para ensino fundamental.

Nerdologia: canal que explora o mundo da ciência misturando o lúdico com o científico.

Manual do Mundo: esse é o segundo maior canal de ciência e tecnologia do mundo e ensina física e química através de experiências, pegadinhas e “mágicas”.

Maritaca: um programa de rádio com contação de histórias para crianças de 2 a 10 anos que estimula a imaginação e desperta o interesse pela leitura.

Matemática com Procópio: o canal se destina a ensinar matemática para um público amplo, desde ensino fundamental até ensino superior e concursos públicos.

Bônus:

YouTube Edu: esse projeto é resultado de uma parceria entre a Fundação Lemann e o Google e traz conteúdos educacionais gratuitos e de qualidade para professores, gestores e alunos.

Leia também:

Descubra como motivar os alunos desinteressados

Desempenho de aulas: como melhorar resultados na sala

Tecnologia em sala de aula. Por onde começar?