Imagem de fundo do menu

Desempenho de aulas: como melhorar resultados na sala

Monitorar o desempenho dos alunos é fundamental para que os professores identifiquem suas dificuldades e invistam nas técnicas certas para aprimorar o ensino.

Como falamos aqui, a reprovação de alunos indica que sua base de conhecimentos está fraca, o que o torna inapto para avançar para as próximas etapas. Os sinais dessas dificuldades podem ser identificados pelos professores a partir do monitoramento constante do desempenho dos estudantes em sala de aula.

Mas o que deve ser feito quando alguns deles apresentam um desempenho muito abaixo do esperado ou se mostram desinteressados durante as atividades? E quando essa situação abrange uma turma inteira, como melhorar o quadro geral?

Não existe uma única resposta, mas é possível investir em um conjunto de ações na busca por resultados positivos. Neste artigo, falaremos sobre ferramentas para mensurar o desempenho dos alunos, formas de melhorar seus resultados em sala de aula, além de técnicas que podem ajudar a melhorar o ensino.

MENU DE NAVEGAÇÃO

1 → Como mensurar o desempenho das aulas

2 → Como melhorar o desempenho em sala de aula

3 → Técnicas para aprimorar o ensino

1 → Como mensurar o desempenho das aulas

O primeiro passo para melhorar os resultados dos alunos em sala é a mensuração do desempenho das aulas. Quando o professor percebe dificuldades recorrentes em uma determinada matéria, por exemplo, ele consegue ter uma base para buscar diferentes formas de trabalhar o conteúdo. Esse acompanhamento também é importante para entender se as dificuldades são pontuais ou sistemáticas (ou seja, se são percebidas em alguns alunos ou na turma inteira).

Hoje em dia existem diversas ferramentas que possibilitam ter um diagnóstico muito mais prático e preciso sobre o desempenho dos alunos. Isso permite ao educador trabalhar de forma mais inteligente na melhora do ensino, identificando as intervenções pedagógicas necessárias e as estratégias de ensino que condizem com a realidade da instituição.

A Studos reúne uma solução completa que se adequa ao projeto pedagógico de cada instituição e ajuda gestores e coordenadores a construírem a melhor experiência de aprendizagem baseada em dados gerados por alunos e professores.

Baixe aqui o nosso e-book gratuito e conheça todos os tipos de informações geradas pela Studos para melhorar o desempenho dos seus alunos. 

como melhorar o desempenho dos alunos

2 → Como melhorar o desempenho em sala de aula

Agora que você já tem dados mais concretos sobre o desempenho dos alunos, é hora de investir na construção de uma experiência de aprendizagem melhor.

Antes de entrarmos nas técnicas para aprimorar o ensino, conheça alguns pontos que precisam ser trabalhados para que o esforço faça sentido:

1. Estudo não é punição

Quem trabalha em sala de aula sabe que essa é a visão que muitos alunos têm em relação à escola. Mudar essa mentalidade é o primeiro passo para gerar resultados efetivos. Se o aluno vai para a escola pensando que essa é uma forma de punição, isso vai se refletir diretamente no seu desempenho.

A postura de pais e professores também precisa colaborar para desfazer essa imagem. Sobrecarregar o aluno ou obrigá-lo a estudar horas extras acabará, eventualmente, reforçando a ideia de castigo. Mostre o que o aluno tem a ganhar nesse processo e mantenha sempre um diálogo próximo com a família para ajudá-la a contribuir positivamente neste processo.

2. Aprender pode ser divertido

Já se foi o tempo em que a tecnologia era vista apenas como a vilã do desempenho dos alunos. Pelo contrário: ela pode ser uma aliada poderosa na motivação dos estudos. As crianças e os adolescentes nasceram na era digital, em que o uso de telas e aplicativos para quase tudo é o normal.

Trazer esse cenário que eles conhecem para o ambiente de estudos é uma forma de chamar a sua atenção e proporcionar novos estímulos ao aprendizado. Explorar recursos que vão além do quadro, do caderno e do livro é importante para que os alunos consigam transferir seus conhecimentos para além dos limites da sala de aula para aplicá-los no dia a dia.

3. Decorar não é aprender

Todo mundo que já passou pela escola sabe o significado da expressão “decoreba”. Diferentemente do aprendizado, o conteúdo que é memorizado apenas para uma prova dificilmente é retido: na maioria das vezes, ele é esquecido assim que a prova é entregue. Além de ser uma prática que não traz resultados, os alunos acabam achando o estudo uma perda de tempo.

Por mais que algumas matérias requeiram a memorização de alguns dados, é preciso dar preferência ao entendimento profundo de uma matéria. Quando o aluno consegue enxergar a aplicação desses conhecimento no seu dia a dia, as disciplinas aprendidas na escola se tornam mais atrativas e fazem muito mais sentido.

3 → Técnicas para aprimorar o ensino

Use a tecnologia a seu favor: como dissemos, a tecnologia é aliada da educação. Busque meios de integrá-la cada vez mais na rotina de sala de aula e teste ferramentas que conversem com o seu plano de ensino. Com conteúdos apresentados de forma dinâmica, os alunos se sentem muito mais confortáveis para assumir um papel mais ativo em seu próprio aprendizado, o que contribui diretamente para a melhora no seu desempenho.

Estimule a reflexão e a argumentação: o ensino não deve ser uma via de mão única. Mesmo que o professor detenha a maior parte do conhecimento, nada impede que ele construa o aprendizado junto com os alunos. Medir o desempenho dos alunos a partir de provas e atividades que estimulem a reflexão e a argumentação também ajuda a fugir da “decoreba” e prepara os alunos para tirarem suas próprias conclusões.

Traga os conteúdos para a realidade dos alunos: eles buscam identificação, e dificilmente têm isso quando o que aprendem na escola não tem nada a ver com a sua própria realidade. Invista em exemplos práticos que façam parte do universo dos estudantes para chamar sua atenção e facilitar a compreensão dos conteúdos.

Revise os conteúdos: não conte apenas com a revisão feita pelo aluno em casa. Sempre que possível, comece a aula com uma revisão rápida dos conteúdos trabalhados anteriormente. São nesses momentos que as dúvidas surgem e podem ser sanadas antes de dar prosseguimento com a matéria. Além disso, a revisão em aula ajuda o aluno a fixar melhor o que foi aprendido.

Aplique diferentes tipos de avaliação: trabalhar com vários modelos em conjunto ajuda na identificação das dificuldades de cada aluno e de quais pontos precisam ser retrabalhados coletivamente em sala de aula. Você pode conhecer mais sobre os diferentes tipos de avaliação neste artigo.

Leia também:

O que é taxonomia de Bloom

O que é uma matriz de referência