Imagem de fundo do menu

O que são e para que servem as linhas pedagógicas

As linhas pedagógicas guiam o ato de educar dentro da escola, definindo a dinâmica entre professores, alunos e família e o papel de cada um nesse processo.

Quando pensamos em uma sala de aula, a imagem mais comum é a da linha pedagógica tradicional: vários alunos de uma mesma idade sentados em fileiras em frente a um professor que transmite conteúdos. O que muitas pessoas não sabem é que esta é apenas uma dentre várias linhas pedagógicas possíveis dentro dos sistemas de ensino.

A forma como aprendemos vem se modificando com o tempo, e os diferentes métodos de aprendizado surgem para atender essa demanda por mudanças. Ainda que a grande maioria das escolas siga as mesmas linhas, as propostas mais conectadas com a sociedade atual atraem pais interessados em um novo modelo de ensino.

Quer saber mais sobre as linhas pedagógicas existentes no Brasil e qual adotar para a sua instituição? Então confira o artigo que preparamos para você:

MENU DE NAVEGAÇÃO

1 → O que são linhas pedagógicas?

2 → Para que serve uma linha pedagógica

3 → Quais são as linhas pedagógicas existentes

4 → Qual linha pedagógica seguir na sua escola?

1 → O que são linhas pedagógicas?

As linhas pedagógicas são as metodologias que guiam as ações práticas voltadas ao processo de ensino e aprendizagem. Em outras palavras, elas definem a identidade da escola. É a partir delas que são estabelecidas as diretrizes que vão conduzir o ensino em sala de aula.

As linhas pedagógicas podem tanto ser adotadas por uma instituição como um todo como individualmente por pedagogos. A formulação dessas linhas é feita a partir da contribuição de especialistas como filósofos, psicólogos e pedagogos, e o foco principal é o ensino fundamental e médio.

Cada escola pode trabalhar com uma ou mais linhas pedagógicas, mas é importante que elas sejam bem definidas para que as metas de ensino também sejam claras. Esse alinhamento é essencial para que a escola e os educadores possam atender adequadamente às necessidades dos alunos e às expectativas das famílias. No Brasil, atualmente, existem sete linhas pedagógicas principais que são adotadas pelas escolas de todo o país.

2 → Para que serve uma linha pedagógica

Ainda que todas as escolas tenham como objetivo formar crianças e jovens para o futuro, cada uma irá moldar a sua forma de ensinar com os preceitos que mais fazem sentido para a sua proposta. É aí que entram as linhas pedagógicas.

Elas têm a função de guiar as práticas em sala de aula, a forma como o currículo é definido, o papel dos educadores e até mesmo a infraestrutura da escola. Cada instituição pode escolher uma ou mais linhas pedagógicas para nortear seu sistema de ensino, ainda que elas não se manifestem de forma explícita no dia a dia da escola.

Além de guiar os educadores, as linhas pedagógicas seguidas pela escola também devem ficar claras para os pais e responsáveis pelos alunos. Mais do que a alfabetização e o aprendizado de matérias básicas, eles também buscam na escola a formação das crianças e dos jovens como cidadãos, portanto precisam entender os direcionamentos que eles receberão no ambiente escolar.

3 → Quais são as linhas pedagógicas existentes

Tradicional

Esta é a linha mais comum nas escolas brasileiras. Criada no século XVIII, ela se baseia em aulas expositivas, sistematizadas e uniformizadas, com base em exercícios de repetição para que os alunos fixem os conteúdos. A ideia é que, para serem questionadores, os alunos precisam ter uma base concreta de conhecimentos. O objetivo principal dessa linha é preparar os alunos, desde o início da sua formação, para o vestibular.

Democrática

Nessa linha todos têm direito de participação na instituição através de pesquisas e assembléias, tanto alunos e responsáveis quanto professores e demais funcionários da escola. Em oposição à linha tradicional, aqui os alunos são o centro do processo de aprendizado, enquanto o professor atua no papel de facilitador. Eles também não precisam seguir um cronograma de aulas, e podem escolher aprender o que lhes interessa (ideia que, em parte, norteia a proposta do Novo Ensino Médio).

Montessoriana

Essa metodologia, criada pela italiana Maria Montessori, também não segue cronogramas específicos de aprendizado e foca na experiência e no ritmo de cada aluno. Ele terá à sua disposição materiais que estimulam a aprendizagem e cabe a ele escolher o que deseja aprender em cada dia. Os alunos podem ser organizados por séries ou por ciclos (que reúnem alunos de diferentes idades em uma mesma turma) e precisam cumprir módulos obrigatórios para evoluir de uma classe para outra, e as avaliações podem se basear somente nos registros de progresso feitos pelo professor.

Construtivista

Segundo essa linha, o aluno é capaz de construir o seu próprio conhecimento. Por isso, a autonomia é muito estimulada  e os conteúdos não são apenas transmitidos dos professores para os alunos. O modelo não prevê a realização de provas e o objetivo principal é que os alunos construam novos conhecimentos baseados no que eles já conhecem.

Waldorf

Criada pelo filósofo Rudolf Steiner, essa linha pedagógica é organizada em ciclos de sete anos (de 0 a 7 anos, dos 7 aos 14 e dos 14 aos 21). A ideia é trabalhar os alunos de maneira holística, levando em conta aspectos físicos, emocionais e espirituais. Em cada ciclo, o aluno tem um único tutor, que será sua referência. O método não conta com avaliações tradicionais e os ciclos não devem ser repetidos, uma vez que acompanham o tempo biológico do aluno. É uma das linhas que mais exige engajamento e acompanhamento da família.

Comportamentalista

Como o próprio nome diz, é uma linha pedagógica baseada no comportamento. Seu objetivo é moldar o aluno conforme as necessidades sociais, de forma que ele adquira determinados comportamentos. Os conteúdos e materiais didáticos são planejados, programados e controlados e as avaliações são feitas através de provas.

Freiriana

Por fim, a linha freiriana é baseada nos conceitos de Paulo Freire, onde o aluno tem um papel importante em seu próprio processo educativo. A ideia é que os educadores precisam ouvir os alunos para que saibam como ajudá-los a compreender o mundo através do conhecimento. A realização de provas não é prevista, mas avaliações podem ser realizadas. Segundo Freire, o conhecimento só tem sentido quando transforma o aluno em sujeito capaz de transformar o mundo.

4 → Qual linha pedagógica seguir na sua escola?

Não há uma resposta única para essa pergunta, já que não existe uma linha pedagógica “melhor” ou “mais correta”. É preciso pensar no que faz sentido para a instituição e nos preceitos mais pertinentes para o processo de aprendizado dos alunos.

No entanto, é preciso levar em conta a estrutura da educação brasileira atual. Ela está ligada a diversos fatores políticos, econômicos e sociais que, querendo ou não, inviabilizam que algumas linhas sejam seguidas de forma integral pelas escolas. Mesclar algumas linhas com a tradicional, que é a predominante no sistema atual, pode ser um caminho para introduzir novas formas de educar.

Por fim, o resultado de um método só será sentido na prática. Independentemente da linha pedagógica escolhida, a comunicação transparente com os pais e responsáveis é sempre fundamental, especialmente no que diz respeito a formas de educar diferentes das que a sociedade já conhece.

Leia também:

Tipos de educação: como está dividida a educação atualmente

Conheça a teoria de Vygotsky, o teórico do ensino como processo social

O que é educação de base?

Peça uma demonstração